Em tempos de pandemia, uma equipe da UFRGS, em colaboração com a UNIJUÍ, dá início ao vigésimo ano do mais longevo experimento de integração lavoura-pecuária do sul do Brasil. Tudo começou no final do ano 2000. Um doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo, orientado pelo Prof. Ibanor Anghinoni e hoje docente da UTFPR (Prof. Luís César Cassol), veio até o Departamento de Plantas Forrageiras e Agrometeorologia para propor uma tese na temática de integração lavoura-pecuária (Sistemas Integrados de Produção Agropecuária – SIPA). Até então, não havia esta linha de pesquisa no PPG Ciência do Solo e/ou no PPG Zootecnia.

 

A dinâmica do calcário seria objeto de estudo e os colegas do Departamento de Solos solicitaram que se trabalhasse preferencialmente em solos profundos, bem drenados e com elevada presença de alumínio fitotóxico. Isto levou a equipe ao “coração da soja” no RS, à propriedade da família Garcia de Garcia. Solo de textura argilosa, Latossolo Vermelho distroférrico. Família hospitaleira, acolhedora de inovações. Condições perfeitas, exceto estar na transição entre os municípios de Tupanciretã e São Miguel das Missões, a aproximadamente 500 km de Porto Alegre! E por longo tempo, os últimos 60 km eram de estrada de chão.

 

No outono de 2001, foi implementado um pasto de aveia+azevém, que no verão seguinte seria sucedido por uma lavoura de soja. A dinâmica do calcário foi estudada, assim como o efeito de diferentes intensidades de pastejo no período de inverno nos compartimentos solo, planta, animal e atmosfera – e suas relações. Desde então, 19 ciclos de sucessão pasto/soja ocorreram. As temáticas de estudo foram ampliadas e o vigésimo ciclo acaba de iniciar em 2020. Desde 2001, 18 alunos de mestrado e 17 alunos de doutorado dos PPGs Ciência do Solo e Zootecnia defenderam suas Dissertações e Teses (e outros 4 da UFSM, 4 da UFPR e 1 da UC Davis) em trabalhos conduzidos neste experimento.

 

Nesta trajetória, houve colaborações de inúmeros outros colegas da FAGRO e de outras instituições. Bolsistas de iniciação científica se tornaram pós-graduandos. Pós-graduandos se tornaram colegas. Foram publicados 62 artigos em periódicos científicos de elevado impacto, que ajudaram a impulsionar os PPGs Ciência do Solo e Zootecnia rumo à excelência. E realizados 14 dias de campo acompanhados da publicação de dois Boletins Técnicos, levando o conhecimento ao campo e trazendo elevada visibilidade institucional. O “experimento de Tupã” é hoje conhecido no Rio Grande do Sul, no Brasil e no exterior. Os Departamentos de Solos e de Plantas Forrageiras e Agrometeorologia compartilham com a nossa comunidade da FAGRO o júbilo desta longa e frutífera colaboração, hoje ampliada nos jovens professores Amanda e Tales pelo Departamento de Solos e PPG Ciência do Solo, e na Profa. Carolina pelo PPG Zootecnia.

 

Qual explicação para tão raro sucesso? Frente às imensas dificuldades em se conduzir um experimento de 22 ha a 500 km de POA, a maioria dos estudantes construíram parcerias sólidas, fraternas, e enfrentaram desafios com a força da juventude e a certeza de estarem construindo uma história que será referência por longo tempo. A eles, os estudantes.

 

Equipe Tupã – GPSIPA

 

Fotos